O piloto automático da Tesla era único em riscos e ainda pode ser.

# Cuidado com o Autopilot: Tesla é apontada como uma exceção na indústria automobilística

Um relatório federal publicado recentemente revelou que o sistema Autopilot da Tesla esteve envolvido em pelo menos 13 acidentes fatais nos quais os motoristas utilizaram o sistema de maneiras que a montadora deveria ter previsto e feito mais para evitar. Além disso, o relatório apontou a Tesla como uma “exceção” na indústria, já que seus recursos de assistência ao motorista careciam de algumas precauções básicas adotadas por seus concorrentes. Agora, os reguladores estão questionando se uma atualização do Autopilot da Tesla, projetada para corrigir essas questões de design básicas e prevenir incidentes fatais, foi longe o suficiente.

## Acidentes fatais envolvendo o Autopilot

Esses acidentes fatais resultaram na morte de 14 pessoas e feriram outras 49, de acordo com dados coletados e publicados pela Administração Nacional de Segurança no Trânsito em Rodovias, o órgão federal de segurança viária dos Estados Unidos. Pelo menos metade dos 109 acidentes “no plano frontal” examinados de perto por engenheiros governamentais – aqueles em que um Tesla colidiu com um veículo ou obstáculo diretamente em seu caminho – envolveram riscos visíveis cinco segundos ou mais antes do impacto. Essa é uma quantidade de tempo suficiente para que um motorista atento pudesse evitar ou pelo menos minimizar o impacto.

Em um desses acidentes, ocorrido em março de 2023, na Carolina do Norte, um Model Y em alta velocidade atingiu um adolescente enquanto ele saía de um ônibus escolar. O adolescente foi levado de helicóptero para um hospital para tratar seus ferimentos graves. A NHTSA concluiu que “tanto o ônibus quanto o pedestre teriam sido visíveis para um motorista atento e permitido que o motorista evitasse ou minimizasse a gravidade desse acidente”.

## Falhas do Autopilot da Tesla

Os engenheiros governamentais observaram ao longo de sua investigação uma tendência de acidentes evitáveis envolvendo riscos que teriam sido visíveis para um motorista atento. A Tesla, que desfez seu departamento de relações públicas em 2021, não respondeu a um pedido de comentário. De forma condenatória, o relatório classifica a Tesla como “uma exceção na indústria” em relação aos sistemas de direção automatizados. Ao contrário de outras montadoras, o relatório afirma que a Tesla permitiu que o Autopilot operasse em situações para as quais não foi projetado e falhou em equipá-lo com um sistema de engajamento do motorista que exigisse dos usuários a atenção à estrada.

Reguladores concluíram que até mesmo o nome do produto Autopilot era um problema, incentivando os motoristas a confiar no sistema em vez de colaborar com ele. Competidores automotivos frequentemente usam linguagem como “assistência”, “sensação” ou “trabalho em equipe”, afirmou o relatório, especificamente porque esses sistemas não são projetados para dirigir completamente sozinhos.

No ano passado, reguladores estaduais da Califórnia acusaram a Tesla de publicidade enganosa de seus sistemas Autopilot e Full Self-Driving, alegando que a empresa enganou os consumidores a acreditar que os carros poderiam se autoconduzir. Em um comunicado, a Tesla argumentou que a falta de objeção do estado à marca Autopilot ao longo dos anos constituiu uma aprovação implícita da estratégia publicitária da montadora.

## Nova investigação sobre o Autopilot

Estes acidentes ocorreram antes de a Tesla ter convocado e atualizado seu software Autopilot por meio de uma atualização over-the-air no início deste ano. Além de encerrar esta investigação, os reguladores também abriram uma nova investigação para saber se as atualizações da Tesla, lançadas em fevereiro, foram suficientes para impedir que os motoristas utilizassem indevidamente o Autopilot, compreendessem mal quando o recurso estava em uso ou o utilizassem em locais onde não deveria operar.

A revisão surge depois que um motorista do estado de Washington afirmou na semana passada que seu Tesla Model S estava no Autopilot – enquanto ele usava o celular – quando o veículo atingiu e matou um motociclista.

Com base nas informações acima, fica evidente a importância dos reguladores e das montadoras de automóveis trabalharem juntos para garantir a segurança e a eficácia dos sistemas de assistência ao motorista, como o Autopilot da Tesla. A indústria automobilística precisa manter um alto padrão de segurança e transparência para proteger a vida dos motoristas, passageiros e demais usuários das vias.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo